-Próximos Eventos-

-Contactos-

Rua das Flores, 6A, Telheiro
7200-181 Monsaraz
Alentejo, Portugal
telf. +351 96 265 37 11
email. tiago(@)sem-fim.com
GPS. 38.454563, -7.38116

 

-Newsletter-

Borututu
http://sem-fim.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/999168hist.jpglink
http://sem-fim.com/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/482091hist1.jpglink

A Historia

    “-Sempre gostei deste edifício, ainda lá entreguei azeitonas.” Doze  anos depois de chegar a Monsaraz, o Gil comprou o lagar do Telheiro. Do gosto pelo sítio, ao gosto de aqui comer, foram dois anos de obra e um projecto de fazer crescer água na boca.
    Começou então a vida do Sem-Fim, um restaurante onde um artista, Gil Kalisvaart e uma restauradora, Arlinda Ribeiro, reproduziram os gostos da terra, recriaram paladares do mundo. Um espaço de arqueologia industrial onde a vida se manteve, ou não seja o azeite uma Alquimia.
    Abrem-se as prensas a  quadros, ora frescos ora ausentes, e vêm outros que as pintam para que o olhar de quem chega perceba que aqui os sentidos se apuram até ao sabor final.
    Uma viagem diferente num sítio distante que fica tão próximo, o Alentejo, o nosso mito mais bem guardado. Não tenha ele, na zona de Évora, fixado os primeiros homens naquela que é uma das grandes concentrações de civilização megalítica. Deixaram pela planície as marcas quase eternas da vida e da morte.
    A “Margia” que se sente sempre, seja pela calma que acalma, pelo cante dos homens à volta do petisco, ou pela agitação de uma cigarra.
    Mas o tempo não chega para tudo e foi tempo de mudar. Após oito anos de trabalho dividido entre as Artes outras e a gastronomia, o processo passou de mãos e o Tiago e a Glória quiseram continuar o Sem Fim.
    Prevalece a vontade de não deixar ficar esta terra sem gente, gente nova que respeita o sítio porque cresceu com ele e o quer ver com vida. Sabem o que a terra custa e valorizam a continuidade.
    E veio a família, a Lua e o Gil Jan que crescem entre as prensas e os tachos, as obras do avô, os insectos da Mãe, as efémeras “d’Alinda”, as brincadeiras das primas, as mantas da avó, o jardim da tia e os Montes que deixam crescer as ervas que dão aroma aos cozinhados e as delícias de cada época. Um SF de coisas boas.